Coisas que aprendi quando mudei pra Cachoeirinha

Oi gente tudo bem?

Hoje vim aqui compartilhar a minha pequena grande experiência migratória de estado brasileiro, sim, dois anos e meio depois vim falar sobre a maior mudança da minha vida, atravessar o Uruguai de mala e cuia, deixando a minha Santa e bela Catarina a caminho da Cachoeirinha no Rio Grande do Sul.



Não, não se compara a morar em outro país, muito menos a mudar de região como, por exemplo, um nordestino que vem pro Sul, mas é a minha experiência e quando se trata de Rio Grande do Sul você pode ser do estado vizinho, frequentar CTG e comer churrasco, acredite, ainda assim vai ser estranho.

Estranho, especialmente se você é aquele tipo que viveu a vida inteia numa cidadezinha linda, com um dos maiores IDH do Brasil e jamais, se quer, imaginou ou planejou sair da sua toca de hobbit para ir para uma cidade grande.

Não que a região metropolitana de Porto Alegre, seja toda essa mothafucking metrópole... Mas é que quando se vive na toca do hobbit lugares grandes e cheios de gente de todo tipo podem soar meio ameaçadores.

Pois bem, vamos a minha listinha:

1- Você nunca vai realmente se acostumar
Sempre vai encontrar algo estranho, algo que não te agrada e sempre vai sentir falta, ok, ok, você até pode conhecer muita gente, arrumar um emprego legal, fazer amizades pra vida, mas nunca será como voltar a sua cidadezinha e se sentir acolhido, olhar pra paisagens que tem um significado pra você (a casa que você cresceu, a rua onde brincou, escola onde estudou), nada disso tem na vida de retirante e se você se ater á essas memórias viver numa nova cidade (e grande) se torna um tanto doloroso.

2- Aprender a entender o valor da solidão
Diferente da tua cidadezinha, numa cidade grande as pessoas são infinitamente mais solitárias e pelo que me parece essa é uma coisa bem valorizada, o espaço de tempo sozinho é muito importante para os individuos, me surpreendi, por exemplo quando descobri que Porto Alegre é a capital com maior número de pessoas que vivem sozinhas, na verdade é notável, nas ruas as pessoas se batem e não se olham, só falam com você se for absolutamente necessário, você aprende na marra a pesquisar mais no Google antes de sair pedindo coisas pras pessoas.. Ahh esse lance de chegar no ponto de ônibus e ter alguma velhinha simpática falando do clima, não existe aqui MESMO. Com o tempo você aprende a valorizar essa solidão e até acha legal de vez em quando ficar absolutamente sozinho. Sério.

3- Não tem muito o que fazer
Explico, não que não tenha o que fazer, é que a forma de se entreter é COMPLETAMENTE DIFERENTE. Se nas nossas cidades de interior, fazer amizade e se reunir na casa dos amigos é algo super comum e simples, numa cidade grande as etapas de aproximação dos individuos são mais criteriosas e lentas, você não vai pra casa de um amigo, assim, tipo num sábado comer uma pizza e prosear, as pessoas são mais seletivas e infinitamente mais desconfiadas, o que é completamente compreensível, visto a violência e criminalidade né?
Sendo assim, o mais comum mesmo é cinema (como eu frequento muito mais o cinema por aqui), passeios no parque (onde a roda de chimarrão é em duplas O.o), e eventos (teatro, shows, feiras).. não tem aquela coisa intimista sabe, de sentar na área da casa e fofocar da vida alheia kkkkk.

4- GPS é absolutamente necessário
Já faz dois anos e meio que estou por aqui, e acreditem, ainda uso GPS tipo DIRETO, tenho mapas salvos pra me deslocar por aí e, frequentemente me perco (especialmente no centro), andar por Porto Alegre, exige planejamento e tempo, a cidade não passou por um planejamento urbano, como aconteceu em Curitiba, por exemplo, aqui há muitas vielas, fim de rua, e o pior pouquíssimos bairros que são organizados em quadras, então é fácil, muito fácil se perder, mesmo morando a vida inteira aqui. Até hoje, não sei como vou pro centro pelo aeroporto e consigo voltar srrsrrsrsrs.

5- Money, bitch
Uma verdade incontestável, como as pessoas são apegadas no $$$, como as pessoas valorizam o carro, a roupa o estilo de vida. Ah, mas você vai dizer mas isso é em todo lugar, sim, mas aqui parece ser bem mais forte esse olhar sobre o status social da pessoa.

6- Ser diferente é tão fácil
Sim, ao mesmo tempo que tem muita gente que dá importância pro status social, também é muito fácil assumir seu estilo, seja no jeito de falar, vestir, andar.. se maquiar... Sim, Porto Alegre é muito democrática, valoriza-se muito a individualidade (como falei no 2) e por isso palpite alheio sobre o jeito de cada um não rola, creio que um ou outro até faz julgamento sobre você, mas externar não acontece tanto assim.

7- Com calma você pega o jeito
Nos primeiros meses, mentira, primeiro ano eu chorava direto... Me ofendia com a cara emburrada das pessoas, com a falta de prestatividade e o isolamento das pessoas, demorei, demorei muito pra entender que isso é o jeito do povo, e é como o meu jeito "catarina" que se dá com todo mundo aqui as pessoas são mais sérias e se comunicam de forma direta e falam só o absolutamente necessário. Com o tempo você realmente vai aprendendo a conviver e a respeitar, claro que algumas coisas tipo o orgulho exagerado acá bairrismo  as vezes incomoda, mas ao entender mais das pessoas você começa a compreender e até gostar do jeito gaúcho de ser.

Se você também passou por algumas dificuldades de "retirante" não se preocupe com calma tudo se resolve. Boa sorte e fé nos teus objetivos, nunca esqueça que tudo tem seu propósito.



E aí gata? Curtiu o post? Me conta o que achou, seu comentário é muito importante pra mim!  

 Jenifer Mendes 

          FACEBOOK           |           TWITTER          |            INSTAGRAM          
GOSTOU? Compartilha!


2 comentários

  1. Caramba, já eu que moro numa cidade puta gigante desde quando cresci, enxergo as coisas totalmente diferentes do que você falou, principalmente a questão de se reunir na casa dos amigos, valorização da solidão e esses tipos de coisas. Gente pra conversar sempre tem, às vezes é uma postura sua de olhar dessa forma para as pessoas, não? E olha que moro em SP maior que POA! ^^

    Mas obviamente, essas experiências refletem quem somos e como nos sentimos também. E concordo totalmente com a parte do acolhedor. Onde crescemos sempre será mais, embora eu sinta mais isto no interior. Eu quero mudar pra uma cidade menor, mas não ir pra muito longe daqui, pois já me acostumei à "ter tudo perto".

    E me explica uma coisa, o que o Uruguai tem a ver que eu não entendi? D:
    Foi uma piada? kkkkkkkkk Desculpa sou meio txonga mesmo!
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. srsrrs o Uruguai, na verdade é o Rio Uruguai, que divide os dois estados Santa Catarina e Rio Grande do Sul (onde fica a ponte é um local lindo http://commondatastorage.googleapis.com/static.panoramio.com/photos/original/40414354.jpg)

      Olha, talvez seja mesmo o meu olhar sobre as coisas sabe, mas acredito que o povo de São Paulo seja bem mais simpático que o gaúcho, o frio do clima as vezes se reflete no comportamento, pode ser só um ponto de vista, pode ser porque estranhei demais o lugar, pode ser o signo (cancerianas vivem na concha rsrsrs) não sei... Graças a deus isso ta mudando agora sabe, mas óbvio que na minha terrinha (Chapecó/SC) sempre foi muuuuuito mais fácil se aproximar das pessoas e fazer amizades (mesmo sendo introspectiva), enfim..

      Mas não odeio PoA, sabe cada dia amo um pouquinho mais, no interior realmente me sinto mais acolhida, abraçada e nem precisa ser a minha colonia, pode ser qualquer cidade do interior, só que quando penso nas coisas que não gosto (tipo racismo, preconceito, mandonismo de duas ou tres famílias na cidade inteira) gosto ainda mais de ter saído de lá.

      Beijos e brigadão por ler o textão :D

      Excluir

Obrigada por comentar, sugestões e opinões sempre são bem vindas! Se você também tem blog, deixa o link vou adorar conhecer!!